24 outubro 2008

PAPO RETO – Episódio de hoje: A fina arte de fazer compras.

- Central de peças, boa tarde!
- Boa tarde, estou precisando do orçamentos de uns parafusos.
- Pois não, qual o código?
- É um parafuso M8.
- É pra já! Hum... seis centavos!
- Ok, mas preciso disso por email, exigência da empresa.
- Sem problemas, qual seu email?
- Anota aí, vou soletrar...
- Tranquilo, estou mandando o orçamento.
- Jura!? Vai mandar mesmo?
- Ué? E não foi o que eu disse?
- É, disse. Mas a maioria acaba não mandando.
- E porque não?
- É que alguns fornecedores não têm paciência para lidar com nosso sistema de compras, acham enrolado demais e acabam se recusando a cooperar.
- Bobagem, estamos aqui pra isso. Mas em quanto tempo vocês formalizam o pedido?
- Bem, isso acontece depois. Primeiro algumas etapas precisam ser vencidas.
- Que etapas?
- Pois bem, vou te enviar uma planilha padrão. Preciso que você preencha todas as colunas com os dados do parafuso, incluindo código, descrição completa e preço unitário. Mas precisa discriminar separadamente todas as parcelas que compõe o custo do material, assim como os insumos agregados durante o processo de manufatura do componente. Todas essas informações devem constar em duas planilhas, uma relativa aos serviços e outra referente aos materiais.
- Puxa vida! E depois disso vocês fecham o pedido?
- Não, isso é apenas um orçamento que será confrontado com no mínimo mais dois em um processo de licitação.
- Tudo bem, mas se o meu preço for o mais baixo vocês fecham o pedido então?
- Não, depois disso você tem que fazer uma nova cotação.
- Hãã? Mas de novo?
- É que aquela era só para o balizamento dos preços de mercado, para justificar a minha estimativa de custo junto ao setor de compras. Depois disso o setor de compras vai precisar reunir os meus três orçamentos e acrescentar pelo menos mais dois para aí sim abrir a concorrência.
- Que coisa! Então quando isso acontecer vou simplesmente reenviar o email anterior.
- Infelizmente precisa ser feito um cadastro na internet para viabilizar a sua participação no processo de licitação.
- Cadastro? E o que eu preciso fazer para me cadastrar?
- Precisa preencher os requisitos mínimos dispostos no site e entregar toda a documentação exigida. Está vendo a lista aí no site?
- Sim mas... caramba, eu não tenho metade dessa miscelânea! E mesmo que tivesse, toda essa papelada iria me custar uns cem contos em xerox!
- Bem, então acho que a sua empresa não vai conseguir se habilitar para o fornecimento dos parafusos.
- E ainda que mal pergunte, ALGUÉM se habilita?
- Sim, claro. Só temos que contactar algumas grandes empresas de São Paulo.
- Cruz credo! Por causa de meros parafusos? Isso não acaba elevando o preço pago pela mercadoria?
- Naturalmente. Neste caso, uns 450%.
- E você não acha que essas normas estão indo contra os interesses da sua empresa?
- Acho sim, na verdade tenho certeza. Mas ninguém está muito interessado no que eu acho ou deixo de achar. Preencha as planilhas e todos ficarão felizes.
- Amigo, com todo o respeito, não vou preencher picas. Se quer parafusos venha aqui na loja buscar. E traga dinheiro com você.
- Ok senhor, o sistema público brasileiro agradece pela sua atenção, tenha uma boa tarde...
- Boa tarde pra você também, e boa sorte, você vai precisar.

3 comentários:

Léo Fernandes disse...

Isto está me parecendo uma negociação com a Petrobras...
A diferença é que os pedidos são tão grandes que compensam a trabalheira.

Na verdade, ela é bem maior. É preciso que a firma tenha certificado de um monte de coisas:

-sistema da qualidade
-sistema de saúde e segurança no trabalho
-sistema de proteção ao meio ambiente
-sistema de responsabilidade social

E cada um destes certificados exige um monte de papéis internos e externos, além de auditorias periódicas de diferentes órgãos internacionais.

E nem falamos ainda de atestados de saúde financeira e coisas assim.

Depois de tudo isto, é preciso estudar especificações de "trocentas" páginas em inglês bem ou mal escrito (é, a língua oficial da Petrobras é o inglês e danem-se os brasileiros) e tentar atender a tudo, torcendo para que o inspetor, na hora da entrega, não encontre alguma divergência que ninguém viu e atrase o pagamento.

Robson Dombrosky disse...

Se pelo menos isso tudo servisse para manter afastados os tranbiqueiros, golpistas e fornecedores de peças da linha "Yon Jing Chen", já seria um consolo. Imagino que para comprinhas irrisórias o processo seja muito mais simples na Petrobrás, ou pelo menos um pouco mais inteligente, caso contrário ela não seria a empresa que é. Ah, sim, o texto publicado é só uma das modalidades da incomodação. Existem muitas outras...

Frederico disse...

Desculpe-me. Mas tomei a liberdade e copiei a resposta do Léo. Atualizando para a empresa que trabalho, CITIC, um grupo chinês.


Isto está me parecendo uma negociação com a CITIC...
Onde todos os pedidos são assim, desde arruelas a guindastes-esteira.

Aqui o problema é bem maior. É preciso que a firma tenha certificado de um monte de coisas:

-sistema da qualidade
-sistema de saúde e segurança no trabalho
-sistema de proteção ao meio ambiente
-sistema de responsabilidade social


E cada um destes certificados exige um monte de papéis internos e externos, além de auditorias periódicas de diferentes órgãos internacionais.

E nem falamos ainda de atestados de saúde financeira e coisas assim. Ja tive que pedir isso para uma madereira de fundo de quintal...que vergonha.

Claro, no meio tempo pechinchando muito, afinal, estamos fazendo uma obrinha de quase um bilhão de dólares. O dinheiro é escasso aqui, falta até papel higiênico(caríssimo dizem os caciques chineses, pra que limpar a bunda???).

Depois de tudo isto, é preciso estudar especificações de "trocentas" páginas em inglês mal escrito (é, a língua oficial da CITIC é o inglês e danem-se os brasileiros e chineses,eles sabem menos ainda) e tentar atender a tudo, torcendo para que o inspetor, na hora da entrega, não encontre alguma divergência que ninguém viu. E com certeza irão pagar depois de meses de atraso e com a cara de pau de pechinchar, de novo!!!

Mas sabe qual é a merda nisso tudo?
Não funciona! Ainda assim, compramos produtos vagabundos.
Aliás, a minha empresa é especialista em porcaria, trouxeram toneladas disso da china.
Sem falar na mão-de-obra especializada que eles trouxeram. Capacitados a jogar Civilization o dia inteiro sem piscar, incrível!

Atualização: aos finais de semana
powered by eu mesmo ®